terça-feira, dezembro 7Conteúdo Relevante pra Você

Economia

PEC dos precatórios é aprovada na Câmara, entenda

PEC dos precatórios é aprovada na Câmara, entenda

Economia, Não deixe de Ver, Urgente
A câmara dos deputados, aprovou nesta terça feira (9) o texto da PEC (Proposta de Emenda a Constituição), que altera o teto de gastos do governo para 2022. Por 323, contra 172 votos, os deputados aprovaram com maior folga o projeto que abre margem no orçamento para o governo trabalhar no próximo ano. O que são precatórios? São dividas do governo federal que já foram reconhecidas pela justiça Está PEC é uma aposta do governo federal, que viabiliza a disponibilização do novo programa social, Auxílio Brasil, a proposta expande o orçamento em R$90 bilhões de reais em 2022, alterando o teto de gastos do governo, que é o limite de gastos federais entre um ano e outro. Proposta A estimativa do governo é que a PEC abra um espaço no Orçamento de 2022 de R$ 91,6 bilhões, dos ...
Inadimplência das micro e pequenas empresas cai 0,9% em agosto

Inadimplência das micro e pequenas empresas cai 0,9% em agosto

Economia, Não deixe de Ver
Em agosto, a inadimplência das micro e pequenas empresas teve uma retração de 0,9%, na comparação com o mês anterior. No período, ocorreram 5,33 milhões de negócios desse porte com o nome no vermelho. A informação é da Serasa Experian.  Para o economista da Serasa Experian Luiz Rabi a disponibilização de linhas de crédito para micro e pequenas empresas negociarem suas dívidas, a partir de julho deste ano, impactou favoravelmente no índice. “Os donos de negócios estão em busca de auxílio para lidar com suas pendências financeiras. Por isso, o recuo observado não reflete uma melhora para as empresas, mas sim um alívio temporário, já que os empreendedores ainda devem encontrar muitos desafios diante ao quadro econômico do país", disse Rabi. Setores Considerando-se os negócios ...
Dólar recua e Ibovespa apresenta alta, apesar da crise chinesa

Dólar recua e Ibovespa apresenta alta, apesar da crise chinesa

Economia, Não deixe de Ver
Apesar da ameaça de impacto global após o anúncio de calote da gigante chinesa do mercado imobiliário e de aquisições Evergrande ontem (20), o dólar fechou em queda na terça (21), em um movimento causado principalmente pela perspectiva de resolução para os precatórios. Após oscilações entre 5,338 (+0,18%) e 5,263 (-1,23%) no decorrer do dia, a moeda norte-americana apresentou queda estável de 0,81%, cotada a R$ 5,28. A queda é a maior desde o último dia 13, quando o dólar fechou em queda de 0,84%. Os mercados de ações dos Estados Unidos terminaram quase estáveis ​​nesta terça-feira, após a ampla liquidação no dia anterior. O banco central norte-americano (FED) realiza reunião de definição de políticas monetárias que deve durar até quarta-feira (22), quando as novas projeções ...
Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,35%

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 8,35%

Economia, Não deixe de Ver, Urgente
A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu, novamente, de 8% para 8,25% neste ano. É a 24ª elevação consecutiva na projeção. A estimativa está no Boletim Focus de hoje (20), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos. Para 2022, a estimativa de inflação é de 4,10%. Para 2023 e 2024, as previsões são de 3,25% e 3%, respectivamente. A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o supe...
Governo encaminha ao Congresso plano de redução de benefícios fiscais

Governo encaminha ao Congresso plano de redução de benefícios fiscais

Economia, Não deixe de Ver, Urgente
O governo encaminhou ao Congresso um projeto de lei que reduz incentivos e benefícios tributários de setores da economia. A Secretaria-Geral da Presidência informou hoje (16) que a medida é fruto do compromisso firmado entre o Legislativo e o Executivo para possibilitar o pagamento do auxílio emergencial em 2021, benefício que atende a população mais vulnerável durante a pandemia de covid-19. A Emenda Constitucional nº 109/2021, que permitiu o auxílio este ano, concedeu seis meses para o governo propor uma redução de benefícios tributários, além de outras medidas fiscais para abertura de espaço no orçamento. De acordo com a Presidência, o Plano de Redução Gradual de Incentivos e Benefícios Fiscais visa a adequação dos benefícios tributários ao Produto Interno Bruto (PIB, soma...